Alcoolismo no ensino médio: uma contribuição da enfermagem

  • Rodrigo Dornelas Thomaz
  • Adilson da Costa Filho
  • Márcia Ribeiro Braz

Resumo

A bebida alcoólica pode ser considerada como a droga mais vendida no mundo, e o alcoolismo, que dela resulta, é um sério problema de saúde pública mundial. Além da alta prevalência do consumo de álcool por adolescentes, dois outros fatores são relevantes, a idade de início do uso de álcool e o padrão de consumo. No município de Valença, no Estado do Rio de Janeiro percebe-se que muitos adolescentes estão cada vez mais cedo, consumindo álcool, de forma que afetam a si próprios, seus familiares e à sociedade. O enfermeiro, como um educador em potencial, tem muito a oferecer, desde o acolhimento com orientação, palestras, campanhas educativas, entre outras ações que envolvam os afetados até ações que objetivem a conscientização da sociedade quanto ao reconhecimento do alcoolismo como uma doença. Este estudo tem como objetivo estimar o consumo de álcool entre estudantes do ensino médio, de uma escola da rede pública estadual, no município de Valença/RJ. Estudo descritivo e exploratório, transversal de abordagem quantitativa, desenvolvido no Colégio Estadual Theodorico Fonseca, localizado no centro da cidade de Valença-RJ. A pesquisa foi realizada em duas turmas regulares e em uma do EJA, totalizando 38 estudantes. Para a coleta de dados utilizou-se um questionário fechado, de autopreenchimento com questões sobre o consumo de álcool. Os resultados da pesquisa foram analisados descritivamente, através de gráficos e tabelas no Software Microsoft Excel 2013 e discutidos sob a luz da literatura pertinente. Dos 38 estudantes, 95% deles já haviam ingerido bebida alcoólica em algum momento de sua vida. Apenas dois entrevistados do sexo masculino relataram não consumir álcool. Portanto, temos um maior número de mulheres que já ingeriram álcool. A frequência na ingestão de bebidas alcoólicas foi apontada nas ocasiões especiais e um número significativo de estudantes que experimentaram bebidas alcoólicas, hoje não as consumem mais. O local onde cosumiram álcool pela primeira vez foi em festas e a idade que isso ocorreu variou de 8 a 16 anos e se encontravam em sua maioria, em companhia de amigos. Em relação ao conhecimento dos pais sobre o consumo de álcool, metade da amostra tem conhecimento e permitem este consumo. A bebida apontada como a primeira a ser experimentada pelos estudantes foi a destilada doce, as do tipo ice, seguida da cerveja e do vinho. Conclui-se que estratégias preventivas ao alcoolismo deve ser um processo contínuo nesse colégio e deve se expandir para outras instituições, visto que há adolescentes que utilizam bebida alcoólica, além disso, estender a reflexão do consumo de álcool para os pais. O enfermeiro objetivando à integralidade do cuidado, é importante que ele esteja instrumentalizado para aexecução de programas de educação em saúde, voltados para o jovem e para a família, sendo capaz de traçar estratégias e metas com vista a estimular a redução de danos e o comportamento seguro diante do consumo de álcool.

Biografia do Autor

Rodrigo Dornelas Thomaz

Discente do 10 período da Faculdade de Enfermagem de Valença (FEV-CESVA)

Adilson da Costa Filho

Doutor, professor da disciplina de bioquímica do curso de Medicina da Universidade Iguaçu (UNIG).

Márcia Ribeiro Braz

Doutora, professora da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso da Faculdade de Enfermagem de Valença (FEV-CESVA).

Publicado
2017-11-04
Como Citar
THOMAZ, Rodrigo Dornelas; FILHO, Adilson da Costa; BRAZ, Márcia Ribeiro. Alcoolismo no ensino médio: uma contribuição da enfermagem. Saber Digital, [S.l.], v. 8, n. 01, p. 45-67, nov. 2017. ISSN 1982-8373. Disponível em: <http://revistas.faa.edu.br/index.php/SaberDigital/article/view/389>. Acesso em: 05 ago. 2020.
Seção
Enfermagem