Prevalência de sintomas depressivos nos acadêmicos do 1° ao 8° período da Faculdade de Medicina de Valença

Autores

  • Bianca Alves Oliveira Centro Universitário de Valença (UNIFAA)
  • Leonardo Nunes de Carvalho Centro Universitário de Valença (UNIFAA)
  • Laíse Navarro Jardim Centro Universitário de Valença (UNIFAA)
  • Júlia Luíza Farolfi de Melo Venuto Centro Universitário de Valença (UNIFAA)
  • Gabriel Filgueiras Lucchesi Centro Universitário de Valença (UNIFAA)
  • Carolina Augusta Assumpção Gouvêa Centro Universitário de Valença (UNIFAA)
  • Thamyris Quearelli Rezende Pedrosa Centro Universitário de Valença (UNIFAA)

DOI:

https://doi.org/10.24859/SaberDigital.2022v15n1.1266

Palavras-chave:

depressão; estudantes de medicina; educação médica; sintomas depressivos

Resumo

Objetivo: Conhecer a prevalência dos sintomas depressivos nos estudantes de Medicina da UNIFAA. Materiais e Métodos: A pesquisa foi realizada no curso de Medicina da UNIFAA com acadêmicos voluntários do 1º ao 8º período. Os participantes responderam a dois questionários: o Inventário de Depressão de Beck (IDB) e um questionário elaborado pelos autores. Para tal estudo, foi usado os cortes: 0 a 11: sem sintomas de depressão ou sintomas mínimos; 12 a 19 pontos: sintomas de depressão leve a moderada; 20 a 35 pontos: sintomas de depressão moderada; 36 a 63 pontos: sintomas de depressão grave. Resultados: A proporção de sintomas depressivos é maior no sexo feminino, bissexuais, estudantes que moram sozinhos, que estão mais distantes da cidade de origem, e que já tinha história previa de transtorno mental. A prevalência de sintomas depressivos foi maior no 4° e 6° períodos. Conclusão: Entende-se que o apoio psicopedagógico para com estes estudantes é de extrema importância, independente do período que o aluno se encontre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AHMED, Isra et al. Cognitive emotions: depression and anxiety in medical students and staff. Journal of critical care, v. 24, n. 3, p. e1-e7, 2009.

AMARAL, Geraldo Francisco do et al. Sintomas depressivos em acadêmicos de medicina da Universidade Federal de Goiás: um estudo de prevalência. Revista de psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 30, p. 124-130, 2008.

BECK, A T; EPSTEIN, N; BROWN, G; STEER, RA. An inventory for measuring clini-. An inventory for measuring clinical anxiety: psychometric properties. J Consult Clin Psychol. 1988;56:893–7.

BRUCH, Tatiana Pizzolotto; CARNEIRO, Ellis Alves; JORNADA, Luciano Kurtz. Presença de sintomas psiquiátricos em estudantes de medicina de Universidade do sul do Brasil. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 38, n. 4, p. 61-5, 2009.

CARDOSO, Josiane Viana et al. Estresse em estudantes universitários: uma abordagem epidemiológica. Rev. enferm. UFPE on line, p. [1-7], 2019.

COLARES, Maria de Fátima Aveiro. As fontes de tensäo no curso médico: um estudo psicométrico. 1999.

COSTA, Edméa Fontes de Oliva et al. Common mental disorders among medical students at Universidade Federal de Sergipe: a cross-sectional study. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 32, p. 11-19, 2010.

COSTA, Edméa Fontes de Oliva et al. Sintomas depressivos entre internos de medicina em uma universidade pública brasileira. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 58, p. 53-59, 2012.

COSTA, Rudy Alves; SOARES, Hugo Leonardo Rodrigues; TEIXEIRA, José Antônio Caldas. Benefícios da atividade física e do exercício físico na depressão. Revista do Departamento de Psicologia. UFF, v. 19, n. 1, p. 273-274, 2007.

CUNHA, Jurema Alcides et al. Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: casa do psicólogo, v. 256, p. 11-3, 2001.

CYBULSKI, Cynthia Ajus; MANSANI, Fabiana Postiglione. Análise da depressão, dos fatores de risco para sintomas depressivos e do uso de antidepressivos entre acadêmicos do curso de medicina da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 41, p. 92-101, 2017.

DE OMENA SILVA, Adenice; NETO, Jorge Lopes Cavalcante. Associação entre níveis de atividade física e transtorno mental comum em estudantes universitários. Motricidade, v. 10, n. 1, p. 49-59, 2014.

DYRBYE, Liselotte N.; THOMAS, Matthew R.; SHANAFELT, Tait D. Medical student distress: causes, consequences, and proposed solutions. In: Mayo Clinic Proceedings. Elsevier, 2005. p. 1613-1622.

DYRBYE, Liselotte N.; THOMAS, Matthew R.; SHANAFELT, Tait D. Systematic review of depression, anxiety, and other indicators of psychological distress among US and Canadian medical students. Academic medicine, v. 81, n. 4, p. 354-373, 2006.

FORTES, J. R. A. Saúde mental do universitário. Neurobiologia, v. 36, n. ssuplemento, 1973.

GIVENS, Jane L.; TJIA, Jennifer. Depressed medical students' use of mental health services and barriers to use. Academic medicine, v. 77, n. 9, p. 918-921, 2002.

GORENSTEIN, Clarice; ANDRADE, L. H. S. G. Inventário de depressão de Beck: propriedades psicométricas da versão em português. Rev psiq clin, v. 25, n. 5, p. 245-50, 1998.

KREFER, Laressa; VAYEGO, Stela Adami. Prevalência de sintomas depressivos em estudantes universitários. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, v. 11, n. 28, p. 170-181, 2019.

MORO, Adriana; VALLE, Juliana Barros do; LIMA, Leandro Prates de. Sintomas depressivos nos estudantes de medicina da Universidade da Região de Joinville (SC). Revista Brasileira de Educação Médica, v. 29, p. 097-102, 2020.

MOUTINHO, Ivana Lúcia Damásio et al. Depression, stress and anxiety in medical students: A cross-sectional comparison between students from different semesters. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 63, p. 21-28, 2017.

PARKERSON JR, George R.; BROADHEAD, W. E.; TSE, C. K. The health status and life satisfaction of first-year medical students. Academic medicine: journal of the Association of American Medical Colleges, v. 65, n. 9, p. 586-588, 1990.

ROSAL, Milagros C. et al. A longitudinal study of students' depression at one medical school. Academic medicine: journal of the Association of American Medical Colleges, v. 72, n. 6, p. 542-546, 1997.

RUSCIO, Ayelet Meron; RUSCIO, John. The latent structure of analogue depression: Should the Beck Depression Inventory be used to classify groups?. Psychological Assessment, v. 14, n. 2, p. 135, 2002.

SERRA, Rosana Denobile; DINATO, Sandra Lopes Mattos; CASEIRO, Marcos Montani. Prevalência de sintomas depressivos e ansiosos em alunos de medicina na cidade de Santos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 64, n. 3, p. 213-220, 2015.

SILVA, Vanessa et al. Depression in medical students: insights from a longitudinal study. BMC medical education, v. 17, n. 1, p. 1-9, 2017.

ÜSTÜN, T. Bedirhan; KESSLER, Ron C. Global burden of depressive disorders: the issue of duration. The British Journal of Psychiatry, v. 181, n. 3, p. 181-183, 2002.

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

Oliveira, B. A., Nunes de Carvalho, L., Navarro Jardim, L., Farolfi de Melo Venuto, J. L., Filgueiras Lucchesi, G., Augusta Assumpção Gouvêa, C., & Quearelli Rezende Pedrosa, T. (2022). Prevalência de sintomas depressivos nos acadêmicos do 1° ao 8° período da Faculdade de Medicina de Valença. Revista Saber Digital, 15(1), e20221502. https://doi.org/10.24859/SaberDigital.2022v15n1.1266

Edição

Seção

Medicina